A incrível força da reavaliação física

Os números são assustadores quando se fala em quantos alunos de uma academia estão com a re-avaliação física atualizada. Apenas incríveis 3%. Nas academias que se empenham em colocar em prática o hábito de manter atualizadas as medidas dos alunos, o número é melhor, mas não passa de 12%.

Outro número que impressiona, só que positivamente, é que quem faz avaliação física retoma a motivação e continua comprometido na busca dos resultados por mais 4 meses, no mínimo. É impressionante como conferir os resultados obtidos é motivador, e mesmo se os resultados não forem bons, o fato de reavaliar faz a pessoa se sentir mais disposta a resolver o problema, gera culpa e ela retoma a frequência aos treinamentos.

Fazer avaliação física dá uma referência concreta para os alunos e isso é muito bom, é mais completo do que simplesmente observarem as mudanças apenas pelo apertar das roupas. Eles já aprenderam que a análise só pelas roupas tem vários problemas já que os carboidratos de cadeia curta, tão presentes na alimentação do dia a dia, geram grande retenção de líquidos e promovem mudanças de tamanhos e proporções grandes no decorrer da semana e até do dia.

Além disso é mais fácil estabelecer metas intermediárias e desta maneira fazer planejamentos de médio prazo diminuindo a ansiedade por grandes resultados. É melhor obter vários resultados menores mais rápidos e ir somando um ao outro e assim chegar num grande resultado ao final de um período grande. Sem grandes frustrações.

Mas na academia, geralmente a avaliação física é vista como algo chato, para os alunos é um custo e não um investimento e por conta disso eles, normalmente não querem fazer.

É verdade que fazer avaliação física não é a coisa mais divertida do mundo, mas é necessária. Sem um mapa não se chega a nenhum destino.

Além disso quem “cobra” ou lembra os alunos da hora de refazer a avaliação física geralmente é a catraca. Isso mesmo. Quando o aluno chega entusiasmado para fazer sua aula preferida é “barrado” por um lembrete frio do software. Em alguns casos a catraca até trava.

Aí a pobre recepcionista tenta convencer o aluno a agendar e ouve tudo que quer e o que quer dos clientes. O stress é enorme.

Os clientes precisam ser educados sobre isso e quem educa é professor. Não pode ser uma catraca ou uma recepcionista a explicar a importância de se fazer a re-avaliação. Quem tem mais recursos científicos, psicológicos e até emocionais é o professor. Quando um professor que é a inspiração para os clientes explica com calma e paciência e justifica os porquês de se fazer a avaliação física os clientes aceitam.

A maioria dos clientes ainda argumenta ou torce o nariz, mas se o professor quiser realmente, conseguirá com certa facilidade.

Dentro disso sugiro que os donos de academias organizem ações com os professores para que os clientes sejam estimulados a fazer a re-avaliação especificamente pelos professores.

Pode fazer vouchers e entregar aos professores para que durante a semana “convençam” um x de alunos a buscarem a re-avaliação. Pode fazer uma campanha na qual os professores usem uma camiseta divulgando o agendamento, pode dar um bônus para cada re-avaliação agendada e feita.

Há muito que se pode fazer para viabilizar essa atitude dos clientes via professores, o que não podemos mais é deixar de utilizar essa excelente ferramenta de avaliação e especialmente de motivação. Os resultados são bons para todos.

Para a imagem da empresa, para a precisão do trabalho os professores e especialmente para que o aluno tenha uma experiência eficiente na sua busca por resultados.

Sem medir não há resultados. Que tal começar hoje mesmo a mobilizar a sua empresa nesta tarefa tão nobre.

 

Almeris Armiliato

Escreva um comentário

ver todos os comentários

Seu email não pode ser publicado. *